Fórum das Letras celebrou 15 anos em parceria com a Bienal do Livro de São Paulo

Os debates sobre Clarice Lispector, foram promovidos pelo Escritório do Livro da Embaixada da França no Brasil em parceria com o Fórum das Letras e a Bienal

A 15a edição do Fórum das Letras, evento promovido pela Universidade Federal de Ouro Preto – UFOP, terminou com êxito no dia 18 de dezembro, depois de duas semanas muito intensas de uma programação que começou no dia 7 de dezembro.

A Edição do Fórum de 2020 comemorou o centenário de Clarice Lispector e teve programação conjunta com a Bienal do Livro de São Paulo. O Fórum das Letras, juntamente com o Escritório do Livro da Embaixada da França no Brasil, assumiu a organização e a promoção das atividades sobre Clarice Lispector na 1ª Bienal Virtual do Livro de São Paulo. O tema do Fórum teve o título da obra, A Hora da Estrela (1977) de Clarice Lispector.

Graças à parceria com a Embaixada da França, o Fórum apresentou na Bienal mesas que debateram os pontos de contato entre a nossa Clarice e a França, o primeiro país a publicar a escritora, em 1956, com a obra Perto do coração selvagem. Nesses encontros foram discutidos pontos de contato entre as obras de Clarice Lispector e as escritoras francesas Marguerite Duras e Nathalie Sarraute. As traduções das obras de Clarice para o francês, bem como os desafios da edição delas, no Brasil e na França, foram abordados nas mesas do Fórum das Letras que entraram na programação da Bienal de São Paulo.

Uma das principais atividades da Bienal de São Paulo foi a conversa de Guiomar de Grammont com a grande escritora Nélida Piñon, uma das únicas amigas vivas de Clarice Lispector, no dia 10 de dezembro, data do nascimento de Clarice, há cem anos. Segundo Guiomar, “Todos que assistiram comentaram que Clarice parecia ter voltado à vida nessa conversa, tamanha a graça e o encantamento com que Nélida descreveu experiências íntimas e quotidianas com a amiga.”

Além das mesas sobre Clarice em parceria com a Bienal, o Fórum das Letras ainda promoveu, com apoio do Escritório do Livro da Embaixada da França no Brasil, um mini-curso sobre Clarice Lispector com a mais importante especialista em sua obra, Nadia Batella Gotlib e uma mesa com a escritora canadense Claire Varin e a brasileira Simone Paulino. Duas outras mesas sobre a escritora foram realizadas no Fórum: “Em torno das perguntas de Clarice”, com pesquisadores dedicados à obra da escritora, e uma mesa sore suas criações para crianças, com as pesquisadoras Mell Brites e Cilza Bignotto e o ilustrador Luís Camargo.

O Fórum também realizou homenagens aos centenários da escritora e educadora negra Ruth Guimarães e ao poeta pernambucano João Cabral de Melo Neto, celebrados este ano. Falou sobre Ruth o biógrafo Tom Farias e a poeta Catita, mediados por Carolina Anglada. João Cabral foi celebrado com o documentário “Duas Águas, apresentado pela cineasta Cristina Fonseca.

Outros pontos altos na programação de 2020 foram o debate da professora Marta Maia com o jornalista Mario Magalhães, sobre 1968 e 2018, “anos que não terminaram” e a mesa com o historiador Roger Chartier. A coordenadora Geral do Forum das Letras, Guiomar de Grammont, mediada por Bernardo Gurbanov, Presidente da Associação Nacional de Livrarias. Roger Chartier lançou no Fórum das Letras o livro intitulado Um mundo sem livros e sem livrarias?, prefaciado por Guiomar de Grammont, sobre o impacto das mutações digitais da atualidade sobre o mundo do livro. A obra, publicada pela Letraviva, se compõe de conferências de Chartier organizadas por Guiomar e é inédita também na França.

O Fórum continuou sua trajetória de evento aberto aos países de língua portuguesa, com o debate sobre escrita poética e pandemia entre Haideia Pires, de Cabo Verde, Ana Mafalda Leite, de Moçambique e a nossa poeta e performer Elisa Lucinda, mediado por Filinto Elíseo, também do Cabo Verde. A pandemia foi assunto central no evento, também abordada na mesa “A doença e o tempo”, com Eduardo Jardim e Pedro Duarte, autores de livros sobre esse tema que saíram pela Bazar do Tempo.

Algumas estrelas da literatura nacional também participaram do Fórum das Letras, como a psicanalista e escritora Betty Milan e autores premiados como Ricardo Lísias e Tiago Ferro, que debateram sobre a relação entre a literatura e a sociedade. A literatura mineira também esteve presente, no excelente debate entre Carla Madeira, João Batista Melo e Cristhiano Aguiar, mediado pela editora Sandra Espilotro, sobre “Escrever ficção”.

Para Guiomar de Grammont “valeu muito à pena realizar o Fórum das Letras on-line em 2020, pois, além da parceria tão bem sucedida com o Escritório do Livro da Embaixada da França no Brasil e com a Bienal de São Paulo, as palestras contaram com públicos, por vezes, de mais de 100 pessoas, de todos os lugares do mundo! A experiência foi tão gratificante, para autores e organizadores, que eu e a professora Mônica Gama, que coordenou o evento junto comigo, estamos muito animadas em dar continuidade, talvez com atividades mais frequentes, ao longo do ano. Os monitores, professores e funcionários da UFOP que participaram do evento estão todos radiantes com a experiência.”

Muita história, 15 anos de Fórum das Letras

Desde sua estreia, em 2005, o Fórum das Letras tem festejado o livro e suas mais diversas faces, promovendo debates sobre literatura, edição, tradução, crítica, leitura e toda a cadeia produtiva e de circulação do livro. Nesses 15 anos, o Fórum foi e é palco das principais discussões sobre o Brasil e o mundo por meio da literatura.

Momentos históricos, como o maior crime ambiental de todos os tempos, ocorrido em Mariana, em 2015 e o impeachment da presidenta Dilma Roussef, em 2016, foram debatidos nos palcos do Fórum das Letras, às vezes no calor da revolta, outras, no cansaço da luta, mas sempre com muita disposição para continuar.

Em todos esses anos, grandes nomes do cenário cultural brasileiro desfilaram pelas ladeiras e salas de Ouro Preto, em programações sempre críticas sobre a realidade do Brasil e do Mundo. Nomes como Conceição Evaristo, Adélia Prado, Nélida Piñon, João Ubaldo Ribeiro, Milton Hatoum, Emicida, Férrez, MV Bill, Adriana Calcanhoto, Leonardo Sakamoto, Paulo Lins, Mario Magalhães, Paulo Markun, José Miguel Wisnik, Arnaldo Antunes, Tony Belloto, João Moreira Salles, Elisa Lucinda, Eduardo Jardim, e tantos outros.

Participaram também grandes autores internacionais, como Jean-Paul Delfino, Roger Chartier, Asne Seierstadt e portugueses e africanos de língua portuguesa, como Pepetela, Luandino Vieira, Valter Hugo Mãe, José Luiz Peixoto, Inês Pedrosa, Luísa Coelho, Carlos Fino, Arnaldo Saraiva, Francisco Viegas, entre outros.

O Fórum das Letras de Ouro Preto tem coordenação geral da escritora e professora Guiomar de Grammont e coordenação executiva da professora Mônica Gama e é promovido pela Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP).

As palestras ainda podem ser assistidas no site https://forumdasletras.wordpress.com/.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *